18 julho, 2011

do meu orgulho.

Eu tinha que fazer mil coisas agora, tudo a ser resolvido no dia que começou tarde e mudou tudo. Mas eu tinha que escrever, antes que isso se fosse, como todas as outras vezes onde me calei.

Algumas coisas vem bem a calhar, ontem li um texto da Eliane Brum (http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI247981-15230,00.html) a qual ela explicita bem como é a minha geração, pessoas frustradas com um ideal fracassado de vida. Tudo que vem muito fácil, vai muito fácil e não damos valor. fato cada vez mais constatado em tudo que vejo. É exatamente isso que eu sempre tento ir contra, muitos me dizer justamente que eu sou do "contra", porque busco o mais difícil quando teria um caminho mais fácil, mais "arranjado" E ao que esse tipo de caminho nos leva? A falta de confiança em si mesmo! Uma auto-estima exacerbada fundada no nada, nada mesmo. Não construimos nada, ganhamos tudo e mesmo assim sentimo-nos vencedores. Por que?
E hoje eu senti que realmente o que é mais difícil, procurado com esforço próprio, vem embutido em si mais do que orgulho, mas também auto confiança perdida anos e anos de vida, por um ideal forjado. O que consegui pode não ser melhor do que se eu fosse pelo caminho mais fácil, mas eu consegui, sozinha. Mas agradeço meu pai também neste momento, porque por mais que ele não entenda como eu sou ou quero ser, ele acredita em mim.

"E se você acha que meu orgulho é grande, é porque nunca viu o tamanho da minha fé" Caio Fernando Abreu

28 junho, 2011

Satisfeito


Eu não quero nada a mais
Não quero nada além
Até um pouco satisfaz
Se você desfruta bem

Afinal quem na vida é satisfeito
Se pra muitos a graça é jogar
É caminhar em mil desejos
Sem nunca se saciar

O vazio vem e vai
O seu destino é você quem faz
E o resto...
O resto deixa...
Deixa pra lá.

22 abril, 2011

Definitivo

Definitivo, como tudo o que é simples.
Nossa dor não advém das coisas vividas, mas das coisas que foram sonhadas e não se cumpriram.

Sofremos por quê? Porque automaticamente esquecemos o que foi desfrutado e passamos a sofrer pelas nossas projeções irrealizadas, por todas as cidades que gostaríamos de ter conhecido ao lado do nosso amor e não conhecemos, por todos os filhos que gostaríamos de ter tido junto e não tivemos,por todos os shows e livros e silêncios que gostaríamos de ter compartilhado,
e não compartilhamos. Por todos os beijos cancelados, pela eternidade.

Sofremos não porque nosso trabalho é desgastante e paga pouco, mas por todas as horas livres que deixamos de ter para ir ao cinema, para conversar com um amigo, para nadar, para namorar.

Sofremos não porque nossa mãe é impaciente conosco, mas por todos os momentos em que poderíamos estar confidenciando a ela nossas mais profundas angústias se ela estivesse interessada em nos compreender.

Sofremos não porque nosso time perdeu, mas pela euforia sufocada. Sofremos não porque envelhecemos, mas porque o futuro está sendo confiscado de nós, impedindo assim que mil aventuras nos aconteçam, todas aquelas com as quais sonhamos e nunca chegamos a experimentar.

Por que sofremos tanto por amor? O certo seria a gente não sofrer, apenas agradecer por termos conhecido uma pessoa tão bacana, que gerou em nós um sentimento intenso e que nos fez
companhia por um tempo razoável,um tempo feliz.
Como aliviar a dor do que não foi vivido? A resposta é simples como um verso:

Se iludindo menos e vivendo mais!!!
A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-se do
sofrimento, perdemos também a felicidade.

A dor é inevitável. O sofrimento é opcional...

- Carlos Drummond de Andrade -

20 fevereiro, 2011

tristeza não tem fim, felicidade sim.

"Porque você não podevoltar atrás no que vê. Você pode se recusar a ver, o tempo que quiser: até o fim de sua maldita vida, você pode se recusar, sem necessidade de rever seus mitos ou movimentar-se de seu lugarzinho confortável. Mas a partir do momento em que você vê, mesmo involuntariamente, você está perdido: as coisas não voltarão a ser mais as mesmas e você próprio já não será o mesmo."
Caio Fernando Abreu


E pelo jeito vai ser pra sempre assim, porque essa insatisfação não tem fim.
Afinal da onde vem a satisfação e quem foi que a criou? Por que alguns se contentam com tão pouco e outros serão eternos insatisfeitos. É a mesma lógica "que um nasce pra sofrer, enquanto o outro ri"?
Tudo isso me incomoda, me fere e por mais que esteja estigmatizado que eu gosto de sofrer, não, não e não. não é natural, eu não gosto, mas não sei sentir de outra maneira. Porque desde sempre é assim, desde sempre querendo os porquês que não existes, porquês que não incomodam a maioria das pessoas.
Raciocínio rápido: uns nascem pra sofrer, outros não e tem essa idéia toda de "deus" fez todos iguais. é simples, é contraditório. Simplificando o impossível de simplificar.

A grama é sempre mais verde no vizinho, o mundo é sempre mais bonito de longe.
e eu só queria ser mais comum.

Pra um recomeço aqui sem perspectiva da vida de lá, é assim.